terça-feira, 15 de março de 2011

Criança nota 10

Logo que o Enzo nasceu e minha cabeça fervilhava com tantas dúvidas sobre desenvolvimento infantil lembro que alguém me disse: os seres humanos são diferentes, únicos, cada um tem seu tempo, seu jeito próprio de aprender e crescer. Porque a primeira coisa que mãe de primeira viagem faz é pesquisar o desenvolvimento "certo" de um bebê mês a mês e comparar seu filho. Nada pior do que isso para a sanidade mental e emocional de uma pessoa.
Entender que os bebês são seres humanos (sim, porque por um tempo a gente acha que eles são uma "classe" à parte, com um universo de possibilidades diferentes, e quer enquadrá-los em padrões, esperando que eles façam tudo que outros bebês fazem ao mesmo tempo e do mesmo jeito) foi um bálsamo na minha vida.
Mas confesso que o ideal seria se todos entendessem isso. Porque a gente encontra outras mães e até pais e as perguntas se repetem: O seu já faz isso? O seu já fez aquilo? Ele ainda não começou com isso? Chega ao ponto do seu bebê ser avaliado e de nos questionarem sobre o que a pediatra fala sobre determinada coisa.


O Enzo é uma criança saudável, graças a Deus. Talvez por ter sido "tirado" antes, ele nasceu com 38 semanas (lembrando: de cesárea porque eu estava com a pressão alterada e ele tinha chegado a um bom tamanho para o parto), alguns detalhes do desenvolvimento vão acontecer um pouco mais tarde.
Inclusive os sites (os mais sérios, ao menos) sempre têm, ao final de qualquer texto, o lembrete de que cada criança é única e que o que se diz sobre aquela idade é sempre uma média, nunca uma determinação. Especialmente, por exemplo, para crianças prematuras.
O Enzo certamente pode demorar um pouco mais para fazer certas coisas do que a Lavínia, por exemplo, dos fofos Letícia e Daniel, que tem 2 semanas a menos mas nasceu de parto normal e, se não me engano, com 41 semanas. E tem mais, minha sobrinha e afilhadinha linda Maria Cecília tem 1 ano e 5 meses e fala um monte de coisas. Vira prá vovó e pede: "qué vê o pábo", pedindo prá minha mãe colocar o CD dos Backyardigans. O meu priminho fofo, João Francisco, é alguns meses mais velho e não fala tanto. E os dois são normais, saudáveis e maravilhosos. Cada um aprendendo as coisas a seu tempo.
Não dá prá julgar o desenvolvimento infantil baseado em padrões pré-estabelecidos. É preciso levar em conta o histórico do próprio bebê, o que ele aprende mês a mês, os estímulos que tem etc. A Maria Cecília (tá bom, vai, minha fofinha é meio precoce, rs) tinha praticamente todos os dentinhos com 1 ano de idade. A Sophia, da Sara e do Carlos, acabou de completar 1 ano e tem apenas alguns deles. Novamente: duas crianças saudáveis com momentos diferentes para atingir metas de desenvolvimento.
Se a gente ficar se impondo padrões, pressionando a nós mesmos para que nossos filhos aprendam tudo antes, sejam os primeiros da classe, estejam sempre dentro da descrição do que faz uma criança da sua idade, corremos o risco de tirar deles o que de melhor tem a vida: a espontaneidade de cada um.
Eu sempre penso na minha própria história: eu vivi a minha infância e adolescência tentando ser sempre a melhor da classe. Estudava demais, queria aprender antes dos outros. Até me ver adulta, cheia de dúvidas sobre se aquele comportamento tinha me dado o que eu queria de verdade. Meus professores queriam que eu fosse médica, para aproveitar a vontade e a facilidade de aprender. Eu fui ser jornalista (e vamos combinar, ninguém precisa ser CDF para ser jornalista).
Sou feliz escrevendo. Mas demorei para entender que o processo do estudo em si é que deve ser divertido, e não atingir sempre o nível máximo do aprendizado. Vou tentar agir com outra filosofia na educação do meu filho. Não importa se ele está um pouco abaixo do peso, se ainda não aprendeu a virar de bruços sozinho, se ainda não consegue engolir direito as frutinhas amassadinhas. Importa se ele aprende as coisas a seu tempo, se está saudável e é feliz. O resto é uma questão de viver, dia após dia, cada conquista, que é única e especial.


Tem coisa melhor do que isso???

3 comentários:

Marcus disse...

Ah! O Mister Risadinha é o cara! =D
Tenho certeza de que vai crescer e aprender tudo com uma facilidade incrível! =)

Júlia Lucchese disse...

Falou e disse.....!!!
Os trigêmeos aqui estão com 2 anos e quase 2 meses e só emitem algumas palavras...!!!
O que tem de gente se preocupando....
Mas a Helena, a mais velha (hj com 7 anos) também foi falar depois dos 2 e meio...
Como diz a Fabi, mamãe deles... melhor assim, imagina esse povo todo falando ao mesmo tempo... hehehe!!!
Oooo dó!!! Tadinhoooss!
Um beijo grande, e o Enzo a cada dia que passa está mais lindo e encantador....Saudades!

Ana Paula disse...

É isso aí. Relax, como vc mesma me diz rsrsrsr. Ai ai, agora imagina esse outro que vai vir aqui, todo diferente da Alice, fico imaginando como vai ser rsrsr.